"Aceita-me"

Autor: Vavá Maia

Buscar na Web "Vavá Maia"

Quando: 01/04/2007

Não tenho garantia, Nem prazo de validade! Minha bula é a vida, A dosagem é a dedicação O amor doado, O sorriso aberto, O ser antes do ter, A fé e temor a Deus, Aborrece-me a injustiça, A violência sem par, A impunidade soberana... Sou vida, poesia, encanto, O ritmo de uma canção O rio que desliza suave Buscando o mar Sou carinho, ternura, Sonho, desejo, emoção, Sou onda do mar Suave, tranqüila, Revolta, turbulenta, Impetuosa na areia. Sou horizonte Longe-perto Infinito, misterioso... Sou nascente, poente Sol, chuva, tempestade Aqui, ali, acolá Sou o sono reconfortante, Que entorpece os sentidos. Sou menina-mulher-poesia! Aceita-me como sou... Sou o eu transverso Que não busca perfeição Que aprende enquanto erra Percorrendo caminhos Novos, velhos, de pedra, A busca não cessa... Tenho um coração Aberto à vida! Cuide dele Pois é tudo que sou! Apenas sou!